Rap: uma representação pós-colonial e contra-hegemônica no cenário cultural

Francisco Carlos Guerra de Mendonça Júnior, Itamar de Morais Nobre

Resumo


Reflete-se sobre o papel contra-hegemônico do rap, analisando suas características, postura ideologica e formas de contraposição à exclusão social dos espaços periféricos e das populações que neles vivem. O rap é uma vertente rítmica musical e comunicacional, repositório e propagadora de ideias do meio popular que pode ser visto como uma representação da folkcomunicação, por conter marcas da comunicação de povos marginalizados. Para o desenvolvimento da reflexão, foram realizadas pesquisa bibliográfica, análises de discurso, através letras de músicas caracterizadas como rap. Vemos que alguns rappers rejeitam a visibilidade na grande imprensa, devido a um histórico de abordagens distorcidas ou racismo semeado ao longo da história da mídia brasileira. Para alguns hip hoppers, o rap não deve estar presente em nenhum espaço que semeou o racismo, já que a luta dos povos negros é uma das principais causas do movimento existir.

Texto completo:

PDF


Licença Creative Communs Attribuitton